6 direitos da gestante que todo contador precisa conhecer

Tempo de leitura: 4 minutos

Quais são os direitos da gestante no emprego? Essa é uma pergunta que muita gente faz — e não por acaso. Afinal, não é exagero dizer que o contador exerce um papel fundamental na vida da gestante que desconhece os seus direitos.

Pelo lado do empregador, o entendimento técnico que o profissional contábil tem da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), por exemplo, é crucial para evitar erros que venham a prejudicar a colaboradora gestante e, também, deem margem a processos na Justiça do Trabalho.

A essa altura, se você tem ambições de construir a carreira no Departamento Pessoal ou atua na área, já compreende a importância em conhecer melhor as regras, não é mesmo? Para ajudá-lo nessa questão, apresento uma lista com seis direitos da gestante previstos na Lei. Confira!

E-book gratuito com tudo que você precisa dominar para ser um profissional de Departamento Pessoal.

Você gostaria de dominar as Regras, Normas, Leis e Atalhos do Departamento Pessoal?

Se tornar um profissional capaz de atuar na área em poucas semanas?

Você gostaria de trabalhar com Departamento Pessoal?
Já percebeu as oportunidades que essa área proporciona?

Criamos um programa completo que ensina todas as etapas do DP, desde entender os Conceitos, Regras, Normas e Leis que regem a área, até as rotinas e procedimentos como Admissão, Demissão, eSocial, FGTS, Férias, 13o Salário e tudo mais que você precisa dominar para atuar na área.

Se você pretende trabalhar com Departamento Pessoal, CLIQUE AQUI e entenda como aprender tudo isso e se tornar um profissional qualificado.

1. Licença maternidade

Entre os principais direitos da gestante está a licença maternidade. O benefício é concedido em caráter obrigatório e pode durar até 120 dias a partir do oitavo mês de gestação. Isso tudo independentemente do tipo de empresa na qual atua a colaboradora, podendo o prazo ser ampliado para 180 dias.

Quanto ao pagamento mensal, este é feito pelo próprio empregador, que depois recebe o repasse do INSS. Quando o empregador é MEI (Microempreendedor Individual), o benefício é recebido pela gestante diretamente do INSS.

Vale destacar que a licença é concebível para mães e pais adotivos, empregados ou desempregados. O único critério para estabelecer a duração do benefício é a idade da criança, conforme a seguinte relação:

  • 0 a 1 ano: 120 dias;

  • 1 a 4 anos: 60 dias; e

  • 4 a 8 anos: 30 dias.

Muito simples, não é mesmo?

2. Estabilidade no período de gestação

A estabilidade é o direito que protege a gestante de eventual demissão do cargo. Com isso, a partir do oitavo mês de gravidez, a mulher usufrui de estabilidade pelos próximos cinco meses.

Para essa concessão, a regra exige que o empregador saiba da gravidez até cinco meses após o parto. Na prática, é esse prazo que garante à funcionária gestante a permanência no emprego.

No mais, havendo desligamento e a comprovação da mulher quanto à gravidez, mesmo no aviso prévio, a gestante tem direito a reintegração ao trabalho ou receber indenização equivalente aos períodos de gravidez e licença maternidade.

3. Dispensa do serviço para exames e consultas médicas

Outro importante direito da gestante é a dispensa do trabalho para realização de exames e consultas médicas. A princípio, a Lei permite que, nesse período, até seis dispensas. Porém a empresa não tem direito de proibi-la de ausentar-se em razão de novas consultas.

Quanto a isso, a única exigência da empresa é a apresentação de um comprovante (atestado, por exemplo) de que a profissional passou por consulta ou exame pré-natal. Além disso, é necessário comunicar aos superiores quando não se trata de consulta emergencial.

4. Pausas extras para alimentação

Até a criança completar seis meses a mulher tem direito a duas pausas diárias dedicadas à amamentação do bebê. Nesse caso, cada evento pode durar até 30 minutos, sem qualquer efeito na jornada de trabalho.

5. Auxílio-creche

O auxílio-creche é, também, um dos mais importantes direitos da gestante. Porém o valor e critérios de concessão variam conforme a categoria profissional na qual se enquadra a colaboradora. Há empresas que fornecem um espaço para creche no próprio estabelecimento, com profissionais qualificados e equipe médica a postos.

6. Troca de função mediante atividades de risco

Supondo que a atividade exercida pela gestante exponha a saúde em risco. Ou seja, em ambiente insalubre, a troca de função para atuar em local adequado pode ser exigida mediante atestado médico.

Esses foram os seis direitos da gestante em relação ao trabalho, previstos em Lei, cujo conhecimento é um dever do contador, sobretudo a quem atua no Departamento Pessoal. Ficou com alguma dúvida ou algo a acrescentar? Contribua deixando o seu comentário!

No mais, vale ponderar que o Departamento Pessoal é uma área complexa e que exige certo rigor nos estudos. Quer saber como você pode se preparar para tornar-se um profissional de sucesso? Conheça o nosso curso DP e eSocial Na Prática!

1 comentário


  1. Angelica o qur ninguem diz. É quando a gravida trabalha registrada e é mei ela tem direito aos dois auxilio maternidade. O da empresa e como mei. Conforme consta em lei. E o inss nao cumpre esse direito.

Comentários encerrados.