Lei da Liberdade Econômica: o que muda?

Tempo de leitura: 6 minutos

A Lei da Liberdade Econômica já está em vigor e traz dispositivos que tentam reduzir burocracia e simplificar processos para as empresas e os pequenos empreendedores. Essa lei também inclui mudanças trabalhistas, proteção a sócios e menos exigência para a abertura de empresas.

Também conhecida como minirreforma trabalhista, o objetivo das novas regras é dar segurança jurídica aos negócios e estimular a criação de empregos. Saiba o que mudou:

Trabalho aos finais de semana e feriados

A lei permite desenvolver atividade econômica em qualquer horário ou dia da semana, inclusive feriados, sem que para isso esteja sujeita a cobranças ou encargos adicionais. No entanto, há algumas restrições, como normas de proteção ao meio ambiente, regulação condominial e legislação trabalhista. 

Foi retirado o trecho que previa descanso “preferencialmente aos domingos”. Ou seja, a folga poderá ser em outro dia da semana. Antes, só categorias específicas poderiam trabalhar aos domingos e folgar em outro dia, como os comerciários.

Carteira de trabalho eletrônica

Com a Lei da Liberdade Econômica, a carteira de trabalho será emitida pelo Ministério da Economia preferencialmente em meio eletrônico. Excepcionalmente, poderá ocorrer a impressão física. O documento terá como identificação única do empregado o número do CPF. Além disso, o empregador terá cinco dias úteis, a partir da admissão do trabalhador, para fazer as anotações. O trabalhador deverá ter acesso às informações em até 48 horas, contadas a partir da inscrição das informações.

Vale dizer também que para a emissão de carteira de trabalho ao menor de idade eram exigidos uma série de documentos, como autorização de pai, mãe ou responsável, comprovação de que o jovem sabe ler, escrever e contar e atestado de capacidade física e mental. Entretanto, o artigo 417 da CLT foi revogado e, assim, caíram todas as exigências.

Registro de pontos

Registros de entrada e saída serão obrigatórios apenas para empresas com mais de 20 funcionários. Anteriormente, a exigência valia para empresas com mais de dez trabalhadores. O registro deve ser feito também quando o trabalho for realizado fora do estabelecimento. Fica permitida a utilização de registro de ponto por exceção à jornada regular de trabalho, mediante acordo individual escrito, convenção coletiva ou acordo coletivo de trabalho. 

Substituição do eSocial

O Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas (eSocial) será substituído, em nível federal, por sistema simplificado de escrituração digital de obrigações previdenciárias, trabalhistas e fiscais. Entretanto, ainda não há data de lançamento da nova plataforma.

Abuso regulatório

A Lei da Liberdade Econômica dá embasamento e previsão legal para que a empresa questione exigências regulatórias. O texto estabelece situações que poderão ser enquadradas como abuso regulatório. Algumas delas são: exigir especificação técnica que não seja necessária para atingir o fim desejado; aumentar os custos de transação sem demonstração de benefícios; criar reserva de mercado ao favorecer, na regulação, grupo econômico, ou profissional, em prejuízo dos demais concorrentes; redigir enunciados que impeçam a entrada de novos competidores nacionais ou estrangeiros no mercado.

Alvará de Funcionamento

A lei passa a dispensar o alvará e licenças de funcionamento para as Pessoas Jurídicas que exercem atividade de baixo risco. A autodeclaração de enquadramento será documento suficiente para a apresentação. Anteriormente, para qualquer empresa entrar em funcionamento era preciso de alvará e vistoria dos bombeiros.

Municípios e estados podem definir quais atividades se encaixam nessa classificação. Contudo, uma norma federal sobre o tema está em elaboração para a falta de definição local.

Sociedade Limitada Unipessoal

Passa a ser permitido a abertura de empresa com apenas um sócio, sem exigência mínima de capital a ser integralizado. Anteriormente, para abrir empresa com apenas um sócio era necessária a Eireli (Empresa Individual de Responsabilidade Limitada), permitida apenas para companhias com capital social de ao menos 100 salários mínimos.

Vale dizer que o texto da lei fala que é vedada a cobrança de preço pelo serviço de arquivamento dos documentos relativos à extinção do registro do empresário individual, da empresa individual de responsabilidade limitada (Eireli) e da sociedade limitada.

Desconsideração da personalidade jurídica

A pessoa jurídica não se confunde com seus sócios, salvo em caso de abuso, caracterizado pelo desvio de finalidade ou pela confusão patrimonial. Inclusive, não será desconsiderada a personalidade jurídica a simples existência do grupo econômico. 

O texto define que desvio de finalidade é a utilização da pessoa jurídica com o propósito de lesar credores e para a prática de atos ilícitos de qualquer natureza. Também detalha que entende-se por confusão patrimonial a ausência de separação de fato entre os patrimônios.

Documentos digitais

Passa a ser permitido o armazenamento eletrônico de documentos públicos ou privados. Após a digitalização, constatada a integridade do documento digital nos termos estabelecidos, o original poderá ser destruído, ressalvados os documentos de valor histórico, cuja preservação observará o disposto na legislação específica.

O documento digital e a sua reprodução terão o mesmo valor probatório do documento original, para todos os fins de direito, inclusive para atender ao poder fiscalizatório do Estado. 

Para a garantia de preservação da integridade, da autenticidade e da confidencialidade de documentos públicos será usada certificação digital no padrão da Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira (ICP-Brasil).

Autenticação de documentos

A cópia de documento, autenticada na forma prevista em lei, dispensará nova conferência com o documento original. A autenticação do documento poderá ser realizada por meio de comparação entre o documento original e a sua cópia pelo servidor a quem o documento seja apresentado. 

Atos de registros empresariais

O Departamento Nacional de Registro Empresarial e Integração (Drei) será mantido com as informações originárias do cadastro estadual de empresas, vedados a exigência de preenchimento de formulário pelo empresário ou o fornecimento de novos dados ou informações, bem como a cobrança de preço pela inclusão das informações no cadastro nacional.

Os atos, os documentos e as declarações que contenham informações meramente cadastrais serão levados automaticamente a registro se puderem ser obtidos de outras bases de dados disponíveis em órgãos públicos. O registro dos atos constitutivos e de suas alterações e extinções ocorrerá independentemente de autorização governamental prévia.

Registros de constituição e encerramento de PJ

Os atos de constituição, alteração, transformação, incorporação, fusão, cisão, dissolução e extinção de registro de empresários e de pessoas jurídicas poderão ser realizados também por meio de sistema eletrônico criado e mantido pela administração pública federal.

Esses são alguns dos principais pontos da Lei da Liberdade Econômica. Continue acompanhando o Viver de Contabilidade para conhecer todas as mudanças que vão influenciar diretamente os processos e a rotina dos contadores. 

 

E-book gratuito com tudo que você precisa dominar para ser um verdadeiro Contador Profissional.

Você gostaria de ter a Prática Contábil?

Dominar as atividades do dia a dia de um contador e atuar na área Fiscal, Contábil e Legal da contabilidade?

Imaginou aprender 10 anos de Prática Contábil em poucas semanas?

Criamos um programa completo que ensina tudo que um contador precisa saber no dia a dia, Rotinas Fiscais, Abertura, Alteração e Encerramento de empresas, tudo sobre Imposto de Renda, MEIs, Simples Nacional, Lucro Presumido, enfim, TUDO que você precisa saber para se tornar um Profissional Contábil Qualificado.

Se você precisa da Prática Contábil, CLIQUE AQUI e entenda como aprender tudo isso e se tornar um verdadeiro profissional contábil