Salário-Maternidade para Empregada Doméstica

É direito das trabalhadoras urbanas e rurais a licença-maternidade, sem prejuízo do emprego e do salário, com a duração de 120 dias.

O salário-maternidade passou a ser devido à segurada da Previdência Social, nos casos de parto, natimorto, aborto não criminoso, adoção ou guarda judicial para fins de adoção.

Nesse sentido, a licença-maternidade se estende também à empregada doméstica, com duração de 120 dias e sem prejuízo do emprego e do salário.

Entretanto, sempre surgem dúvidas referente à concessão deste benefício. Para esclarecer todas elas, separamos as principais informações sobre a licença-maternidade para empregada doméstica.

Continue a leitura e confira!

Empregada Doméstica

De acordo com o artigo 1° da LC n° 150/2015, a empregada doméstica é a pessoa que presta serviços de forma contínua, subordinada, onerosa, com pessoalidade e de finalidade não lucrativa à pessoa ou à família, por mais de dois dias por semana.

Salário-Maternidade

É fato gerador do salário-maternidade o parto, natimorto, aborto não criminoso, adoção ou guarda judicial para fins de adoção, com início no período entre 28 dias antes do parto e a data de ocorrência deste.

Assim, a data de início do salário-maternidade coincidirá com a data do fato gerador mencionado anteriormente, devidamente comprovado. 

Entretanto, deve-se observar se a data do afastamento for anterior ao nascimento da criança, a data do início do benefício, será fixada conforme atestado médico original apresentado.

A duração da licença-maternidade para empregada doméstica é de 120 dias (quatro meses). Porém, há casos em que a duração pode ser diferente. Saiba a seguir:

  • Parto antecipado: 120 dias.
  • Natimorto: 120 dias.
  • Adoção ou guarda judicial para fins de adoção de crianças com no máximo 12 anos de idade: 120 dias.
  • Aborto espontâneo: 14 dias.

Aborto Não-Criminoso

O aborto não-criminoso também é um fato gerador do salário-maternidade, porém deverá ser comprovado mediante atestado médico com informação do CID específico, para que a empregada doméstica tenha direito ao salário-maternidade equivalente a duas semanas.

Prorrogação do Benefício

Através de atestado médico específico, os períodos de repouso anterior e posterior ao parto, em casos extraordinários, poderão ser prorrogados em duas semanas.

Entretanto, a prorrogação se estende às situações em que houver algum risco para a vida do feto ou da criança, ou da mãe, conforme atestado médico.

Pagamento

A empregada doméstica terá o benefício do salário-maternidade pago diretamente pela Previdência Social. 

Assim, a renda mensal do salário-maternidade será equivalente ao valor do seu último salário de contribuição, sujeito aos limites mínimo e máximo de contribuição.

Carência

Conforme o artigo 26 da Lei n° 8.213/91, se a empregada doméstica necessitar do salário-maternidade, receberá o benefício independente do período de carência ter sido completado. 

Solicitação do Benefício

A empregada doméstica poderá solicitar o salário-maternidade pelo “Meu INSS”, pela Central de Atendimento do INSS (135), ou comparecer pessoalmente em alguma unidade do INSS.

Prazo Para Requerimento

O salário-maternidade poderá ser requerido em até cinco anos a contar do fato gerador. 

Documentos Necessários Para Solicitação do Salário-  Maternidade

Caso a empregada doméstica compareça pessoalmente em alguma unidade do INSS, deverá apresentar os seguintes documentos: 

  • Carteira de Trabalho (PDF da CTPS Digital);
  • Documento de identificação com foto;
  • CPF;
  • Certidão de nascimento; 
  • Atestado médico original específico, nos casos de afastamento 28 dias antes do parto;
  • Termo de Guarda com a indicação de que a guarda destina-se à adoção, nos casos de guarda; 
  • Nova certidão de nascimento expedida após a decisão judicial, nos casos de adoção;

Estabilidade Provisória

A empregada doméstica que confirmar o estado de gravidez durante o curso do contrato de trabalho, ainda que esteja cumprindo o aviso prévio, terá direito a estabilidade provisória.

Incidência de INSS e FGTS

Durante o período de licença-maternidade, o empregador doméstico fica obrigado a recolher o FGTS e a parcela devida de contribuição previdenciária será descontada pelo INSS no benefício concedido à empregada.

Importante destacar que de acordo com o Parecer PGFN/ME/SEI n° 18.361/2020, não haverá mais a incidência da Contribuição Previdenciária Patronal (20%, alíquota RAT e Terceiros) sobre o salário maternidade para todos os empregadores, em razão da decisão de inconstitucionalidade deste recolhimento reconhecida pelo STF no Recurso Extraordinário n° 575.967.

Receba esses E-books Gratuitos

Guia Completo e Definitivo da Área de Departamento Pessoal + Raio X da profissão Analista de DP

Receba gratuitamente em seu E-mail, informando seus dados abaixo.

Seja um Profissional da área de Departamento Pessoal, mesmo que ainda não tenha a prática do dia a dia?

Você pode ter acesso a um atalho e dominar rapidamente as rotinas e procedimentos de Folha de Pagamento, Admissão e Demissão de Funcionários, eSocial e muito mais…

Se você está em busca de conhecimento para conquistar um bom emprego ou prestar serviços de DPclique no link abaixo e conheça o caminho mais rápido para ter a Prática no Departamento Pessoal.

TER A PRÁTICA NO DEPARTAMENTO PESSOAL

Você está em busca de atuar na área de Departamento Pessoal, mas não tem a Prática e Experiência do dia a dia?

Clique na imagem acima e conheça o curso DP na Prática.

Toque na imagem acima e conheça o curso Contador na Prática.

Seja um Contador Profissional das áreas Fiscal, Societário, Departamento Pessoal e Contábil!

Participe da maior e mais completa comunidade de contadores, tenha a sua disposição: